• Pedro Sahium

1. H. Contemporânea: Crise da modernidade

Conteúdo complementar para o tema "Crise da modernidade no final do século XIX"


[nesta Unidade os (as) discentes deverão ler atentamente o texto anexo, assistir ao vídeo do historiador brasileiro José Jobson, responder às questões propostas e enviá-las em até seis dias da postagem dessa Unidade]


Antes de entrarmos nos fatos que começaram a marcar o século XX, partindo da Primeira Grande Guerra e das revoluções russas, vamos estabelecer o marco característico do século XIX a partir de uma expressão econômica, ou seja, o século XIX foi o século da indústria.

Não vamos reduzir a história ao eixo puramente econômico, mas vamos estabelecer esse eixo econômico como o fundamento das atividades que marcaram a história do século XIX, em especial na segunda metade desse século.


Para aqueles (as) que ainda tem dúvidas sobre a "marca industrial" do século XIX, quero expor abaixo os avanços do setor industrial que impactaram esse período histórico e avançaram no século XX, impactando as atividade e organizações humanas.

* Figuras/Fonte: PAZZIANATO, l. Alceu; SENISE, Maria Helena V.. História Moderna e Contemporânea. São Paulo: Ed. Ática, 2002, p. 187.



Essas mudanças no setor produtivo, somadas aos rápidos avanços científicos que foram incorporados ao saber técnico/prático, resultaram na chamada segunda revolução industrial (1870-1914). O avanço tecnológico acelerou o processo produtivo resultando na fabricação de novos materiais que seriam usados como ferramentas na produção. A produção se acelerou e diversificou. Os mercados consumidores tiveram dificuldades em absorver esses produtos e isso gerou o que mais tarde seria conhecido como "crise de superprodução", sobretudo entre 1873-1896 - data da primeira Grande Depressão do capitalismo. (PAZZIANATO, 2002, p. 186).


Foi nesse período de crescente competitividade comercial, que alguns países (Rússia, Estados Unidos, Alemanha, França) praticaram forte política protecionista. Os fabricantes faziam de tudo para que seus produtos fossem mais competitivos, mais baratos, e em maior número no mercado mundial. Daí surgem os grandes conglomerados econômicos, os trustes e os cartéis. Isso vai comprometendo a chamada "livre concorrência". Os bancos passam a atuar no campo de produção se associando aos grandes conglomerados empresariais. A luta por novos mercados se intensifica. A economia é o eixo em torno do qual tudo está girando...O novo Mapa Mundial é redesenhado: é o neocolonialismo.




"O neocolonialismo, também chamado de imperialismo, foi uma política de expansão territorial e econômica praticada pelas potências europeias a partir do século XIX, em especial em territórios da África e da Ásia" - a nova partilha do mundo.





Com a intenção de sublinhar a importância da história econômica, sugiro que vocês assistam o vídeo do historiador José Jobson de Andrade Arruda, que segue abaixo, e depois responda às questões.



Vídeo - José Jobson de A. Andrade


Atividade proposta I:


1) Qual a relação que o historiador estabelece entre história econômica e século XIX?


2) Por que o historiador fala em "determinismo econômico"? o que isso significa?


3) Qual a importância de K. Marx para a construção do campo econômico como eixo da história? Quais outros eixos que o historiador José Jobson aponta?


4) Explique as razões para a afirmação de que "o fundamento do capitalismo são os valores abstratos".




Atividade proposta II:


Algumas obras são emblemáticas de determinados períodos históricos. Eu acredito que no panorama do século XIX, a obra de Marx e Engels "O Manifesto Comunista", é uma delas. Por isso, aos alunos (as) do curso de história, em especial, é imprescindível sua leitura. A questão não é sobre os juízos que se faz do texto, mas, do conhecimento dele, e daí, eu penso, que: ou se conhece, ou, não se conhece a obra.



Então, a tarefa final dessa introdução/complemento das aulas remotas, é a leitura do Manifesto Comunista e o destaque de pelo menos cinco trechos/ideias significativas para você, na compreensão do capitalismo do século XIX. Anote suas impressões e me mande por texto (escrito aqui no final do blog).


  • Procure o livro: O manifesto Comunista, na biblioteca da UEG, ou versão digital gratuita na internet.

Partilha de África e Ásia


187 visualizações
  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon

Contato

E-mail: psahium@hotmail.com